O que é inteligência emocional?

Inteligência Emocional é, basicamente, a capacidade que um indivíduo tem de gerenciar suas próprias emoções, bem como identificar e lidar com as emoções dos outros.

Qual a importância da inteligência emocional?

Desenvolver a inteligência emocional nos permite administrar as emoções ao nosso favor, seja para nos sentirmos bem, seja para construir relacionamentos saudáveis e positivos.

No que tange ao bem-estar, considere as seguintes situações:

Os grandes desafios da vida moderna exigem de nós um alto grau de concentração, aprendizado e desenvolvimento contínuos, capacidade de lidar com pressões, prazos, metas, padrões de excelência, concorrência, instabilidade, entre outros fatores. Essa situação caótica tem acionado gatilhos emocionais, provocando tensão, ansiedade, angústia, aflição, compulsão, medo, stress, ciúmes, raiva e tristeza. Essas sensações são responsáveis pela incidência de problemas de saúde, como a queda da imunidade (que abre as portas do organismo para diversas doenças) síndrome do pânico, gastrite, úlcera e câncer.

É claro que, nem sempre, as emoções negativas resultarão em doenças ou problemas de saúde. No entanto, certamente, causam dor e sofrimento.

Sendo assim, volto a afirmar que um dos grandes benefícios de desenvolver a inteligência emocional é sentir-se bem.

Outra razão, igualmente imprescindível, é a construção de bons relacionamentos.

Como dizia Aristóteles, somos animais racionais. Temos capacidade de tomar decisões, baseadas em pensamentos lógicos. No entanto, nossa razão é, continuamente, influenciada pelas emoções, pelas sensações, pelas percepções, muitas vezes, subjetivas e subconscientes.

Aprender a identificar as emoções do outro, de que forma ele percebe o mundo, qual o seu modelo mental, o seu mindset, o seu “ponto de vista”, é fundamental para a comunicação eficiente, a empatia, a persuasão e a qualidade dos relacionamentos.

Aprender a identificar as próprias emoções e como lidar com elas, controlando-as em seu benefício, além de contribuir com o aumento de sua capacidade cognitiva, eleva sua performance em todas as áreas.

Daniel Goleman

Para Daniel Goleman, psicólogo, escritor e jornalista norte-americano, autor do Best-seller “Inteligência Emocional” (publicado pela primeira vez em 1995), “a consciência das emoções é fator essencial para o desenvolvimento da inteligência do indivíduo”.

Stephen Covey
Stephen Covey

Para Stephen Covey, autor de “Os 7 Hábitos das pessoas altamente eficazes”e “O 8º hábito”, inteligência emocional está ligada a uma das quatro partes da natureza humana (o coração) e refere-se à capacidade de ser empático, de se colocar no lugar do outro, de se relacionar, de se comunicar com êxito, de reconhecer as próprias fraquezas, de ter equilíbrio emocional, autoconhecimento, autoconsciência; capacidades essenciais para “ouvir a nossa voz interior” e viver com energia e paixão.

 Outras razões para desenvolver a Inteligência Emocional

Aquele que desenvolve sua inteligência emocional aumenta sua capacidade de:

  1. Autoconhecimento/Autoconsciência;
  2. Automotivação, mesmo diante de situações frustrantes;
  3. Inspirar, influenciar, encorajar, persuadir e liderar pessoas;
  4. Controlar impulsos;
  5. Direcionar as emoções de forma adequada para cada situação;
  6. Concentração e foco;
  7. Segurança, autoconfiança e autoestima;
  8. Tomada de decisão;
  9. Superação de limites/barreiras emocionais e/ou psicológicas;
  10. Equilíbrio emocional;
  11. Evitar e/ou solucionar conflitos.

Como desenvolver a Inteligência Emocional?

O ponto chave está no autoconhecimento. Não se chega a lugar algum sem clareza. Identificar e analisar suas capacidades e a falta delas, bem como estruturar e seguir um plano de ação para o seu desenvolvimento são essenciais. Técnicas de coaching, por exemplo, podem ajudá-lo. Considere a possibilidade de contratar um coach profissional.

Pedir e aceitar feedback, exercitando o autocontrole, também é uma grande ferramenta.

E, por falar em autocontrole, sabe aqueles momentos em que você se sente mal? Aqueles momentos de ansiedade, angústia, raiva, aflição, rancor, ódio, tensão, apreensão, etc, etc, etc…? Experimente racionalizar suas emoções. Faça perguntas a si mesmo, sobre os detalhes daquela sensação, até que seu lado racional se sobreponha ao seu emocional. “Por que é que estou me sentindo assim?”, “o que eu perco me sentindo assim?”, “eu sou o responsável por isso?”, “se não sou o responsável, por que estou me deixando ser afetado?”, “isso está me machucando, de verdade?”, “o que pode acontecer se isso não for resolvido?”, “isso já aconteceu antes?”, “já senti isso antes?”, “e como foi?”.

Com perguntas assim, mesmo que você conclua que existem motivos reais para suas emoções ruins, certamente, encontrará caminhos para aliviar e controlar o que está sentindo, minimizando seus efeitos.

Clique aqui e veja também:

Autoconhecimento

Eu sou Fabio Frasson. Espero ter contribuído com seu caminhar. Desejo a você resultados extraordinários e muito sucesso!

Vamos juntos, evoluindo sempre! Até a próxima!

Fabio Frasson

contatos Fabio Frasson

Curta a página @mindsetfrasson no Facebook

facebook @mindsetfrasson

Assine o canal mindsetfrasson no Youtube

youtube mindsetfrasson

Os desafios da gestão de pessoas

Liderar é capacitar pessoas

O maior desafio de um gestor não são os impostos, os custos operacionais, a concorrência, as novas tecnologias ou os consumidores da nova era, são as pessoas da sua própria equipe.

A gestão de pessoas requer um alto grau de esforço e empenho diário. Lidar com os diferentes perfis, a diversidade de opiniões, de egos, comportamentos, temperamentos, capacidades, subjetividades, necessidades e anseios pessoais, fatores motivacionais, dentre muitas outras diferenças, sem enlouquecer, e ainda convergir tudo isso para os objetivos e metas da organização, faz do gestor uma espécie de “super-herói”.

Mediar conflitos, extraindo a essência das potencialidades de cada colaborador, e ainda contribuir com seu desenvolvimento pessoal e profissional é uma das tarefas mais árduas da liderança.

Em pesquisa realizada pela Endeavor, com o apoio do Datafolha e da Neoway, denominada Pesquisa Desafios dos Empreendedores Brasileiros”, envolvendo aproximadamente 1000 empreendedores de diversos perfis, a gestão de pessoas foi apontada como o desafio número 1, à frente da gestão financeira, burocracia, inovação e marketing/vendas, que completam a lista dos 5 principais.

Se você é um gestor, certamente, sabe do que estou falando. Se não é, saiba que estamos no mesmo barco, e que contribuir com o seu crescimento, com a sua evolução, com a sua performance é um dos nossos maiores objetivos. Afinal, os seus resultados, são os nossos resultados também.

A pesquisa publicada pela Endeavor ratifica a importância da formação de lideranças, como uma das principais ferramentas da gestão de pessoas.

Sem bons líderes, a empresa acaba andando em círculos”._Endeavor

Liderar é capacitar pessoas, é estimular o aprendizado de competências, é impulsionar o desenvolvimento das inteligências física, mental, emocional e espiritual, transformando seus liderados em indivíduos mais fortes e profissionalmente mais preparados. Mas essa tarefa não é das mais fáceis.

“Liderar é comunicar às pessoas o seu valor e o seu potencial de uma forma tão clara que elas acabem por enxergá-los em si mesmas”. _ Stephen Covey

Mas como lidar com os conflitos no trabalho?

Em qualquer ambiente, onde há interação entre pessoas, ocorrem conflitos. Somos todos diferentes, uns dos outros. Diferentes na personalidade, na idade, na experiência, na cultura, nos conhecimentos, na percepção acerca da vida e das situações, na autoridade para resolvê-las…, enfim,  diferentes em quase tudo. Como poderíamos esperar que concordássemos na maioria das questões?

Cabe a cada um de nós, líderes e/ou liderados, encarar as situações de conflito com 2 princípios em mente:

  1. O outro sempre será diferente de você;
  2. Cada um faz o melhor que pode, com os recursos que tem, incluindo seu Mindset.

Entenda, portanto, que as divergências ocorrem por conta desses dois princípios. Aja com assertividade, sem pré-julgamento! O outro enxerga a situação diferente de você porque não tem o seu Mindset. Presuma sempre que ambos têm boa intenção e querem acertar. Isso gera aprendizado, evolução e fortalecimento da inteligência emocional.

Se entrarmos em uma situação conflituosa com esse pensamento, certamente, as chances de êxito serão muito maiores.

Saiba mais sobre Mindset clicando aqui.

Ah…, outra dica importante: reconhecer erros é sinal de força, não de fraqueza. Portanto, se você perceber que o outro tem razão em suas argumentações, não hesite em reconhecer. Humildade é um valor que fortalece relacionamentos de qualquer natureza, inclusive no âmbito profissional.

Para Geoffrey James, autor de livros como “Tudo o que você precisa saber para ser promovido”, os conflitos são inevitáveis e benéficos. E, sem eles, não há progresso. Resolvê-los “requer liderança, paciência e consciência”.

O que fazer quando os conflitos no trabalho prejudicam os resultados?

Bem…, quando a frequência dos atritos ultrapassa os limites do tolerável e não trazem contribuição para o crescimento profissional dos envolvidos nem, tão pouco, da empresa, é hora de decisão! Cabe à liderança exercer o seu papel!

Recomendo a você a leitura do artigo sobre a importância do feedback.

Clique aqui!

Eu sou Fabio Frasson. Espero ter contribuído com seu caminhar. Desejo a você resultados extraordinários e muito sucesso!

Vamos juntos, evoluindo sempre! Até a próxima!

Fabio Frasson